Pesquise na » LAGOA «

NOTA DE REPÚDIO

Às vezes a vida nos apronta cada uma!

Eu sei que em qualquer canto do mundo que eu for (mesmo que eu ache errado, ou quisera eu que não fosse assim), mais eu sei que em cada lugar que eu for, vou presenciar algum tipo de discriminação ou preconceito (por "n" fatores) sejam eles por cor, raça, credo ou orientação sexual... É quisera mesmo que eu estivesse errada, pois sonho com o dia em que não haverá mais preconceito, pois como o próprio nome diz: é um "pré-conceito" que temos e não nos deixa conhecer a fundo.

Assim que cheguei à São Paulo, disse à minhas amigas que não queria que ficasse "tão na cara" que sou lésbica, não que eu tenha vergonha de ser lésbica (o que aliás é Ø), mais queria deixar meu "eu" pessoal, bem longe do ambiente de trabalho, porque mesmo a gente querendo ou não, ainda existe preconceito no trabalho!

Então, eu tento (tentava) "disfarçar". Só que tem uma coisa dentro de mim que diz que posso disfarçar, mais não mentir... Então, se alguém chega e pergunta: "-Você é lésbica?" vou dizer: "-Sim, eu sou. Algum problema em relação à isso!" Mais não vou escrever na testa nem nada parecido!

Aconteceu em um dia de trabalho normal (eu diria), sentei-me e estava conversando com uma menina, sobre o sistema do trabalho e alguns assuntos fora do ambiente de trabalho... eu tinha recortado uma matéria do jornal que estava falando sobre um casal de lésbica que tinham adotado uma criança (aqui em SP), e tinha alguns comentários, uns a favor, dizendo: "toda criança tem direito à um lar com amor!", "não se deve negar o direito à casais homossexuais de adotarem um filho!"... e claro, tinha uns comentários contra "a justiça não deveria ter dado a guarda de uma criança para lésbicas criarem, pois estão colocando em risco a própria criança de ser um homossexual" O que eu, deixo bem claro que discordo dessa pessoa ignorante que falou tamanha barbaridade!

Enfim, a menina viu a matéria e conversamos sobre o assunto, ela falou que era contra, que conhece alguns "gay's", mas acha que é pecado. E no meio da conversa ela falou algo que quase me fez VOMITAR; nossa, como alguém, que diz amar Deus, vai a igreja todos os dias pode ter dito algo como aquilo?! Ela encheu a boca para falar e disse:

"-Se hoje eu tivesse um filho (ou filha) e fosse homossexual, eu perderia o contato com esta pessoa, deixaria de amar, deixaria de conversar e não faria mais parte da vida dessa pessoa, ingrata!"

Eu questionei com ela:

"-Mesmo depois de você ter amado, ter criado, dado educação, seu filho, você abandonaria simplesmente porque ele (ou ela) gosta de alguém do mesmo sexo?!"

"-Sim, e não teria nenhum remorso quanto à isso!"

"-Você está dizendo que a pessoa deixaria de ser seu filho?"

"-INFELIZMENTE deixar de ser meu filho, não vai... Pai sempre vai ser pai, mãe e filho sempre vão ser mãe e filho. Mais eu esqueceria, deixaria de amar. É como se não existisse mais!"

==========

Ah! Gente, fala sério... Como alguém pode dizer isso, depois que diz que Deus é pai, que segue a Deus... e vai na igreja e tudo mais... Deixar de amar seu próprio filho porque ele (ou ela) é homossexual?

Deixo aqui minha INDIGNAÇÃO... Hoje, eu não consigo mais conversar com esta pessoa! Sempre sento o mais longe possível, como vou "compactuar" com alguém que tem esse pensamento?
Não sou ninguém para julgar, mais não a quero nem como amiga!

4 comentários:

  1. No... a gente sabe que o preconceito existe e, por mais que estejamos sempre lutando contra, vai continuar existindo...
    Há algum tempo atrás, eu tb faria o mesmo (e vc sabe disso!), hoje mudei de tática... Sabe aquele antigo ditado do "água mole em pedra dura...?" Pois é... talvez isso seja algo cultural, que foi repassado de geração em geração... enfim, o importante é conhecer melhor a raiz de onde vem o preconceito, para que possamos minimamente diminuí-lo! Acredito que conversando mais, conhecendo mais e conquistando o respeito desta pessoa, ela te escutará e, se não mudar de opinião, pelo menos pensará no assunto!!!
    Utilize exemplos cotidianos que vivenciamos na militância: evasão escolar por causa do preconceito, intolerância dos pais por não saberem lidar com a situação, assassinatos (a cada 2 dias um homossexual é morto por preconceito!)...

    Façamos a nossa parte, mesmo que seja em trabalho de formiguinha, para que essas estatísticas diminuam...

    Qualquer coisa, estou por aqui para dialogarmos sobre...

    Juntos e juntas somos mais fortes!

    Beijocassss...

    ResponderExcluir
  2. sério, eu não sei o que comentar sobre tal pessoa!
    tá ai, agora conheci alguém pior que a minha sogra!
    bjos
    #C

    ResponderExcluir
  3. Não tem o que comentar, aliás tem sim; o trágico disso tudo não é o preconceito dela, pq isso não é preconceito, isso é ignorância, isso é falta de amor. Vamos analisar juntas. Toda pessoa que tem preconceitos, q não gosta de animais, de crianças, de gargalhadas, são pessoas infelizes, que com certeza tiveram uma infância traumática sem amor no lar. Não as julgo, pelo contrario, sempre que cruzo com pessoas assim, amargas, tento passar carinho nas minhas palavras e da testemunho em forma de atitudes. Tem um provérbio criado pela minha Dinda que diz o seguinte “Toda vez que for pregar algo bom, às vezes use as palavras, mas, só as vezes.” Sacou, sapinha”?


    Bjos de luz meninas!

    ResponderExcluir
  4. É meninas... acho que o mais certo mesmo é não me afastar, e como disse a Luh "usar osexemplos do cotidiano para mudar a pessoa (tentar)", Nandinha...pode deixar, acho que entendi o recado, vou mudar a tática agora!
    Obrigada meninas!!!

    ResponderExcluir

Deixe sua opinião... Nós, as sapas garantimos uma resposta! =)